O que torna os Gerentes de Projetos irritantes ?

Como gerentes de projeto, sempre estamos tentando fazer o melhor para o projeto. Ou não? Será que a visão de outros stakeholders não pode ser diferente, e estamos na realidade atrapalhando o trabalho dos demais? Obviamente isto parece um exagero, mas encontrei um artigo no site About.com, que fala sobre o que os desenvolvedores web odeiam nos gerentes de projeto.

O que torna os gerentes de projeto irritantes?
*) Quando assumem que podem fazer o trabalho da equipe

Gerentes de projeto não devem se meter a fazer o trabalho dos outros, mesmo que já tenham trabalhado nesta área antes. Trata-se de uma questão de foco, respeito e ética. Cabe ao gerente definir escopo, planejar prazos e deliverables e controlar custos, com o apoio da equipe. Também não há nada de errado em discutir diferentes técnicas e metodologias para chegar ao resultado.

O problema está quando o gerente começa a pisar na linha da arrogância e falta de respeito profissional, acreditando que pode fazer o trabalho do outro profissional melhor do que ele. Se o profissional não desempenha, há que substituí-lo, e não fazer o trabalho por ele.

*) Quando definem prazos ridículos

Definir uma meta de prazo insana não quer dizer que acontecerá. Este tipo de situação torna-se motivo de piada pela equipe, e o gerente perde credibilidade. No projeto, existem pressões naturais para redução de prazo, e o gerente precisa administrá-las para manter a bom senso nas estimativas, e não ceder cegamente ao que o patrocinador ou o cliente desejam.

*) Quando formalizam opiniões informais

Esta é ótima. Muitas vezes, especialmente em fases iniciais do projeto, o gerente quer obter algumas estimativas macro para seu planejamento. Ele insiste com a equipe que lhe passe alguns números de referência… e depois os formaliza como uma avaliação firme. Este é um “golpe baixo” que criará uma energia negativa da equipe em relação ao gerente de projeto. Pior ainda é quando, em uma reunião, ele pressiona para que se digam números em frente aos outros stakeholders, com o pretexto de que é “para ter uma idéia”. Especialmente quando quem está na reunião é o cliente, está criado o cenário para dificuldades de comunicação no projeto.

*) Quando estão mais preocupados com relatórios do que com resultados

Reportar atividades é fundamental nos projetos… mas bom senso também. O gerente de projeto deve saber dosar a necessidade de relatórios de status para que não se sobreponham às atividades em si. Mais ainda, deve ter o discernimento para compreender situações nas quais os relatórios devem ser simplesmente ignorados, para atender a necessidades críticas do projeto.

*) Quando não conhecem os detalhes do projeto

Os gerentes tem uma expectativa de que cada profissional que participa do projeto conheça muito bem sua área de atuação. No entanto, o mesmo é esperado da equipe… que o gerente saiba se comunicar adequadamente sobre o projeto e que tenha as informações chave que a equipe precisa para desempenhar bem suas atividades.
Luiz Paiva é Gerente de Projetos e mantenedor do Site http://www.ogerente.com

Fonte: http://www.projetizado.com.br/artigo.asp?sequencial=20

Anúncios

OpenProj – Uma solução aberta para o gerenciamento de projetos

Fonte: http://agerenciaagradece.wordpress.com/2010/12/07/openproj-uma-solucao-aberta-para-o-gerenciamento-de-projetos/

O OpenProj é uma aplicação gratuita de gestão de projetos. Esta ferramenta substitui plenamente o Microsoft Project e outras aplicações similares. Mais de 1 milhão utilizadores certificam a qualidade deste gestor de projetos, assim, tornando-se um dos maiores e mais conhecidos softwares open source. O OpenProj é disponibilizado para Linux, Mac e Windows em vários idiomas, incluindo o português.

O OpenProj é composto pelas scheduling engines mais avançadas do mercado, permitindo o uso de gráficos Gantt, diagramas de rede PERT, gráficos WBS e RBS, gráficos de custos e de valor e várias outras funcionalidades.

 

O processo de instalação é extremamente simples, solicitando apenas a confirmação do caminho de instalação do software. Ao término da instalação você tem a opção de já executar o OpenProj. Iniciando o OpenProj pela primeira vez, você verá o termo de aceite da licença de uso do software ( Common Public Attribution License Version 1.0 (CPAL). Em seguida você pode registrar seu e-mail para receber novidades sobre o produto e então começar a utilizar o produto. O OpenProj apresenta uma interface de fácil utilização e na instalação reconhece automaticamente o idioma utilizado.

Interassado no OpenProj? Basta clicar aqui para fazer o download para seu desktop, ou acesse o site para maiores informações.

Levar trabalho para casa faz mal à saúde

Levar trabalho para casa é uma prática polêmica. A maioria torce o nariz só de pensar nesta hipótese, outros não se importam, mas hoje em dia parece que poucos conseguem escapar do hábito. “Respiro, vivo o sindicato. Minha mulher até pediu para eu trazer a cama para cá”, afirma Wanderley Milton Alexandre, assessor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil, que trabalha até aos domingos. Quando não vai ao sindicato, ele leva trabalho para casa.

Alexandre conta que trabalha há 34 anos na entidade. Ele diz: “gosto de trabalhar, mas não sei por que faço isso. Vi derrubarem a sede velha e a construção da nova. Raras vezes passeio ou tiro férias. Os filhos me cobram porque não acompanhei o crescimento deles. Eles não são muito ligados a mim e me arrependo. Casei com 21 anos. O tempo foi passando e não vi”, lamenta.

A assessora técnica Andréa Isaias leva trabalho para casa. Ela explica que faz isso só quando o trabalho está atrasado e tem prazo para entregar. “Nem sempre levar trabalho para casa significa falta de organização minha. Não depende apenas do meu empenho. Outras pessoas estão envolvidas”, diz.
Izilda Alves Álvares, que trabalha na área de recursos humanos, faz o trabalho no ônibus porque mora em Campinas e trabalha em São Paulo. “Como viajo todos os dias, aproveito as 2h30 de viagem e coloco tudo em dia”, declara.

A secretária Vera Lúcia de Godói conta que levou trabalho para casa durante 10 anos, numa época em que desenvolvia muitas atividades. Fazia assessoria bancária, degravação de fitas e produzia boletins. De acordo com ela, era uma vida sem descanso. Mas a secretária diz não se arrepender, pois ficava feliz quando o trabalho terminava.

Brigas em casa e problemas de saúde
A assessora de imprensa Janaína Bastos conta que cansou de levar tarefas do trabalho para fazer em casa. Revisão e redação de textos, materiais para leitura, preparação de atividades. “Eram noites e finais de semana sem fim. Na segunda-feira de manhã, já estava cansada, mas era incapaz de dizer que não terminaria uma tarefa”, relata. “O resultado é que ganhava mais trabalho a cada dia, mas ainda assim achava que tinha que dar conta de tudo”.

Aos poucos o hábito começou a gerar problemas em casa. Janaína deixou de fazer programas com o marido e o filho e tiveram início as cobranças familiares. As brigas tornaram-se corriqueiras. “Meu marido começou a ficar sem falar comigo durante longos períodos. Foi muito ruim. Passei então a dedicar mais momentos aos dois, mas, mesmo nessas horas, estava sempre pensando nas tarefas que deixava de lado. E aí era uma culpa terrível por dar atenção à família e deixar o trabalho ou por trabalhar e deixar a família”, conta.

De acordo com Janaína, o hábito só foi abandonado quando ela começou a ter várias indisposições que a levaram repetidas vezes para o pronto-socorro. “Os médicos sempre atribuíam o problema ao estresse e à falta de descanso, mesmo sem que eu relatasse que trabalhava à noite e no final de semana. Eles diziam que era preciso dormir bem, ter lazer para não adoecer”, lembra.

Passados os sustos, ela diz que, de vez em quando, ainda leva algum trabalho para casa. “Mas só toco nele quando é absolutamente imprescindível. Fora dessas situações, acabo esquecendo que o levei. A tarefa fica lá, numa bolsa ou num envelope, até eu voltar para o trabalho no dia seguinte ou na segunda-feira. Estou mais saudável e em paz com minha família”, comemora.

Riscos para a saúde
“Quem leva trabalho para casa, além do realizado na empresa, agride a própria saúde e pode ainda ameaçar a da família”, adverte o professor adjunto do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia, Paulo Gilvane Lopes Pena. Para ele, “a residência é um espaço fundamental para a melhora da qualidade de vida” e a realização de tarefas do trabalho em casa, além de agredir a saúde, traz riscos de “desestruturação familiar e prejudica a realização das atividades domésticas.”

Pena diz que as mudanças ocorridas nas empresas são as razões que influenciam a prática de levar trabalho para casa. A exigência do trabalhador polivalente – uma pessoa que acumula várias funções diferentes – é uma delas. Também as revoluções tecnológicas, que se acentuam e exigem formação permanente, requerem esforço extra, quase nunca considerado pela empresa. “O processo de aprendizado é iniciativa do trabalhador, o que causa uma sobrecarga psíquica do trabalho e força a condução de atividades para serem realizadas na residência”.

De acordo com Pena, os problemas de saúde gerados pela sobrecarga de tarefas podem ser graves. O estresse do trabalho pode levar a distúrbios psíquicos variados, doenças cardiovasculares, gastrointestinais, entre outras. O professor ressalva também que cada um pode reagir de um jeito: “Os efeitos são cumulativos sobre o organismo e, geralmente, não há sintomas precoces para alertar os trabalhadores. Quando as manifestações clínicas ocorrem, as patologias se encontram instaladas e, não raramente, em situações de risco de morte, como infartos e acidentes vasculares cerebrais”, ele explica.

É possível acabar com a prática de levar trabalho para casa? Pena diz que não há respostas prontas para isso:

“São processos complexos relacionados às transformações estruturais do capitalismo e situações conjunturais referentes às diversas políticas sociais e trabalhistas. A construção de saídas envolve práticas que são essenciais, como a conscientização dos trabalhadores nas lutas contra formas antigas e modernas de exploração do trabalho. Estudos e pesquisas podem ajudar a demonstrar os efeitos nocivos à saúde dos trabalhadores resultantes do trabalho deslocado da empresa para a moradia e conferir aos sindicatos mais instrumentos de luta para alcançar novos direitos ou, ao menos, preservar os existentes. De toda forma, o fortalecimento dos sindicatos representa a perspectiva segura na construção coletiva da ruptura com essa velha/nova imposição desse ‘hábito’ no mundo do trabalho. O tempo fora do trabalho deve ser destinado ao lazer, às atividades lúdicas e culturais, à família, que favorecem a recomposição do desgaste psicofísico do trabalho. O sobretrabalho realizado em casa, como uma constante e resultante de organizações nocivas do trabalho, é um retrocesso nessa tendência histórica de conquistas sociais”, ensina.

Fonte: http://meusalario.uol.com.br/main/saude/levar-trabalho-para-casa-faz-mal-a-saude-1

Criando layouts no Photoshop Parte 2

E ai galera, com o novo portal a gente se empolga e começa a escrever sem parar. Quero retomar um artigo que foi feito o ano passado, faz mais de um ano que foi ao ar mas que não foi finalizado. Peço desculpas pela demora, mas agora vamos retomar o trabalho.

Este era o link do artigo: http://www.mxstudio.com.br/photoshop/criando_layouts_no_photoshop_parte_1/

A primeira parte do layout terminou desta maneira:

layout

Agora vamos recomeçar o trabalho criando o conteúdo do corpo para após fazer a exportação.

Bom para começar peguei uma imagem qualquer da internet.

Após criei um retângulo com o mesmo tamanho da imagem, utilizando o rounded rectangle tool, e com cantos arredondados com radius 5px.

Vamos aplicar o efeito para colar a imagem dentro do retângulo e deixar ela com os cantos arredondados, para isso precisamos colocar a layer da imagem sobre a layer do retângulo.

Agora vamos clicar com o botão direito sobre a imagem e aplicar a máscara.

Pronto, o resultado da imagem é este:

Agora vamos inserir um texto no lado, para criar o texto, utilizei o site www.lipsum.com

Criamos um título e inserimos o texto, assim preenchemos uma parte de nosso layout.

Agora vamos para parte final antes de exportarmos nosso layout. Vamos criar algo para a parte de baixo do site, simplesmente vou inserir três imagens e colocar um texto de serviços nelas.

Bom, o primeiro passo foi inserir uma das imagens, após eu criei um retângulo azul no topo e escrevi um dos textos, também criei um retângulo na base pois a imagem ficou meio solta. No topo da imagem eu coloque o canto arredondado para acompanhar o layout.

Agora vou inserir as outras imagens, colocar no mesmo tamanho mudando somente o texto. No final o resultado será este:

Pronto, o layout tá pronto, não ficou muito bonito, mas a idéia do artigo é mostrar a exportação para o Dreamweaver.
Então vamos lá.

Primeiro vamos pegar a ferramenta Slice Tool
Vamos começar a fatiar de acordo com o layout do site, procure fatias as partes do site de maneira uniforme, respeitando todos os aspectos do site.

Veja na imagem que cuidei para fatiar a parte do logotipo e todos os menus individualmente assim faremos com toda a estrutura do layout.

Finalizando o fatiamento, ele ficará assim:

Agora vamos a exportação. Primeiro vamos em file/save for web:

Na tela nova que abriu temos todas as definições de otimização do site, podemos por exemplo pegar determinados slices e escolher se eles serão exportados como GIF ou JPG, podemos também aumentar a qualidade de imagem de determinados slices e diminuir os que não tem tanta importância.


Repare na imagem que selecionei somente o logotipo.


Conseguimos assim editar o que vai ser GIF e o que vai ser JPG bem como a qualidade.

Agora antes de exportar vamos configurar algumas coisas, não deixe nada selecionado e clique na seta que se encontra no canto direito.

Clicando na seta vá em edit output settings.
Irá abrir uma outra tela onde vamos fazer umas configurações para facilitar o trabalho do site. Vamos conseguir já padronizar com estilos e trabalhar com DIVS ao invés de tabelas! Isso mesmo, fica tudo pronto para facilitar nossa edição em um editor de html.


Nesta primeira tela vamos marcar output XHTML e indent: none.

Na segunda tela vamos marcar para gerar um CSS por ID, no editor de html isso será muito útil para edição.

Nesta terceira tela, seria somente para inserir um background no layout, o que não é nosso caso, então vamos passar para próxima tela.

Na tela de cima, podemos criar um nome para os arquivos de imagens que vão ser exportados. Neste caso, não vou dar nome.
Pronto, agora é só dar um ok e salvar.

Não esqueça de marcar para salvar html e imagens, o Photoshop criará uma pasta para as imagens e um arquivo html.

Algumas considerações:
É interessante tirar os nomes dos botões e todos os textos e colocar eles no editor de html com as imagens como background. Fazendo todas as edições de texto no editor de html.
Abrindo o editor de html, vocês verão que o Photoshop criou todas as divs e ids para elas, com um css interno no html. O aconselhável é transforma em css externo e trabalhar com ele em todas as páginas.

Arquivo do tutorial para download.

Bom, espero que tenham gostado do artigo, nos próximos estarei mostrando alguns outros efeitos do Photoshop para otimizar a criação de layouts.

Abraços

Juliano Haussen
Administrador e colunista do Portal MXSTUDIO.
Dúvidas, acessem nosso fórum.

Nunca minta

Prazo é um ponto crítico mas o gerente de projetos não deve tentar enganar a equipe, por melhores que sejam suas intenções.

Por Handerson Ferreira Gomes

O Rodolpho Ramirez publicou um artigo com três dicas para gerenciar um projeto interativo. As dicas 1 e 2 são ótimas, mas descordo totalmente em relação a terceira dica, por vários motivos.

Quanto mais informações temos disponíveis, melhores são nossas decisões. Uma dessas informações é o tempo disponível para executar o projeto. Com menos tempo disponível o time de desenvolvimento vai ter que fazer cortes na qualidade e/ou funcionalidade. A melhor forma de desestimular um desenvolver é tirar dele a chance de escrever código de qualidade e de usar sua criatividade.

A ideia de que há dois prazos – um real e um fictício – simplesmente significa que não há confiança entre a gerência do projeto e o time de desenvolvimento. Este tipo de comportamento mostra falta de maturidade em projetos web e de software.

Em qualquer relacionamento, confiança é um dos aspectos mais importantes para o sucesso. Desenvolvedores, como o Ramirez mesmo disse, são espertos e a grande maioria deles se esforça para fazer um ótimo trabalho. Mentindo para um time é uma péssima forma de incentivar e valorizar o trabalho de uma equipe. Confie em mim, já participei de vários projetos onde todos os desenvolvedores sabiam que a data alvo era fictícia.

Inclusive escrevi sobre esse cenário em outro artigo aqui no Webinsider.

Está provado que as estimativas são mais acuradas quando feitas pelos responsáveis pela execução das tarefas.

Estimativas de software devem ser feitas pelo time de desenvolvimento e se há datas fixas para release do produto, o que é comum, então funcionalidades e escopo precisam ser negociadas e acompanhadas ao longo do projeto. Devemos focar nossos esforços em colaboração e desenvolvimento mútuo entre todos as pessoas envolvidas no projeto.

Meu conselho é exatamente o contrário. O prazo de entrega do projeto deve ser claro e todos devem entender porque (o que deve ser óbvio) é importante entregar no prazo.

Envolva o time de desenvolvimento na estimativa das tarefas que ele é responsável. Envolva também o cliente, ele precisa entender que toda e qualquer funcionalidade tem um custo (tempo, qualidade, recursos) e infelizmente seria mais fácil prometer que “tudo é possível” mas a realidade é diferente e no final todos saem ganhando quando a conversa é sincera.

Construa um time onde há confiança mútua, onde todos trabalham para o sucesso do projeto e que todos são honestos com suas estimativas e horas alocadas no trabalho.

Existem técnicas e metodologias muito mais eficientes que a mentira para lidar com membros/equipes que não estão comprometidos com o sucesso do projeto. [Webinsider]

Fonte: http://webinsider.uol.com.br/index.php/2009/06/30/nunca-minta/

Informação não é poder! Veja como a falta de clareza causa o fracasso do líder

A reclamação número um de profissionais é a falta de clareza com relação às suas metas. Isto significa que todos sabem o que precisam fazer hoje, mas poucos sabem ao certo o porquê e aonde a empresa pretende chegar. Como consequência, os funcionários se empenham menos e, com o tempo, acabam desmotivados.

A verdade é que ninguém gosta de ser um mero “robô”. Participar da tomada de decisões, bem como saber o sentido do seu trabalho, é essencial. Uma pesquisa realizada pelo PMI (Project Management Institute), com 400 empresas, corrobora com esses pressupostos. Uma pergunta foi feita aos profissionais participantes: “Quais habilidades faltam a seus gestores?”. A resposta mais dada foi: “a habilidade de se comunicar”.

Como a empresa perde tempo [e dinheiro]

“Se os funcionários não conhecem os objetivos maiores da empresa e as estratégias adotadas, eles não fazem mais do que olhar para o próprio umbigo, de forma que agregam pouco à organização. Esta, por sua vez, perde tempo e dinheiro, ao não disseminar informações importantes”, explica o coordenador da pesquisa de Benchmarking do PMI, Américo Pinto.

Quando falta clareza ao profissional com relação a suas próprias metas, os projetos não dão certo, ou o resultado obtido não é o esperado pela direção da empresa. E não é uma questão de incompetência. Ao desconhecer seus objetivos de longo prazo, o funcionário pode muito bem andar para a direção oposta para a qual estão caminhando os gestores. Enquanto uns vão para a direita, outros escolhem ir para a esquerda. A empresa não é bem-sucedida e perde recursos. Situações como a descrita não são raras.

“Os atuais gestores não atendem mais àquilo que as empresas precisam, que é clareza e capacidade de se comunicar, antes de mais nada. Muitos deles retêm informações, porque acreditam que informação é poder. No final, acabam se prejudicando, porque seus subordinados não trabalham o todo, não realizam suas atividades dentro de um contexto”, explica o diretor executivo do Insadi, Dieter Kelber.

“O pior é que há líderes que gostam de ter funcionários robôs, que cumprem ordens sem pensar muito. São gestores à moda antiga, atrasados no novo cenário de competitividade acirrada entre as empresas”, acrescenta.

Falha começa na alta gestão

É possível que, em uma empresa na qual a retenção de informações é parte da cultura corporativa, a culpa seja da média gerência, que não quer dar espaço para ninguém crescer. “O que esse tipo de gestor não entende é que, se seus subordinados não crescerem, ele próprio nunca sairá do mesmo lugar”, diz Kelber.

Porém, para Américo Pinto, do PMI, a principal responsabilidade pela comunicação da empresa é a alta gerência. “Se o principal gestor não faz questão de disseminar informações estratégicas, a comunicação não flui para as demais partes da pirâmide. O resultado é que cada um acaba fazendo o que bem entende”, diz.

Mas ele acrescenta que isso é mais comum em médias e pequenas empresas, porque as grandes já estão avançadas no quesito comunicação. “Boa parte das grandes utilizam ferramentas tecnológicas, como softwares criados justamente para isso e intranet, para que a comunicação flua tanto verticalmente (do gestor para os subordinados) quanto horizontalmente (entre departamentos, de forma que estes trabalhem juntos em torno de um mesmo objetivo)”.

Reunião não é perda de tempo!

Algumas empresas evitam ao máximo as reuniões, por conta do clichê disseminado no mundo corporativo de que elas são perda de tempo. A verdade, entretanto, é que reuniões são necessárias e é possível torná-las produtivas. “Porque alguns profissionais se utilizam desse canal de comunicação [a reunião] de forma equivocada, muitos desmoralizaram o papel desses encontros”, diz o coordenador da pesquisa do PMI. “Mas, muitas vezes, as reuniões são absolutamente necessárias”.

Ele lembra ainda que as reuniões não são a única forma de a empresa se comunicar com seus funcionários. “É possível promover algumas discussões por e-mail, por exemplo”.

Por que gestores retêm informações?

Alguns dos motivos para a retenção de informações são: a ilusão de poder que elas proporcionam; o medo de os subordinados crescerem; a insegurança, por parte do gestor de médio escalão, de que os subordinados utilizem aquelas informações melhor do que ele próprio; a dificuldade de se comunicar com clareza, o que é uma competência ao mesmo tempo técnica e comportamental cada vez mais essencial aos líderes; e a facilidade de manipular funcionários “robôs”, que não pensam.

Porém, a transparência nas empresas é importante porque: a rádio peão é muito mais rápida (o problema é que, muitas vezes, as informações divulgadas no corredor são completamente equivocadas); ao saber aonde a empresa quer chegar, o funcionário se dedica muito mais e os projetos têm mais chances de serem bem-sucedidos; os diversos departamentos podem tornar-se aliados, no lugar de inimigos, como costuma acontecer; a satisfação do público atendido aumenta; e a liderança informal é enfraquecida.

“É bom promover conversas e debates com os funcionários sistematicamente, de forma que informações úteis sejam disseminadas no dia a dia do trabalho. Assim, os profissionais vestem a camisa da empresa e do cliente”, finaliza Kelber.

Por Karin Sato – InfoMoney

Fonte:http://artesdosul.wordpress.com/2009/05/21/informacao-nao-e-poder-veja-como-a-falta-de-clareza-causa-o-fracasso-do-lider/

Permitindo acesso remoto num servidor MySQL

O Mysql por padrão ao ser instalado numa máquina, não está configurado para permitir acesso remoto, somente local, por parte do usuário, então para habilitar seu uso seja de qual for a máquina, faz-se os seguintes procedimentos:

Como root no terminal do linux digite:

nano /etc/mysql/my.cnf

Agora altere a seguinte linha..

bind-address = 127.0.0.1

..para..

bind-address = 0.0.0.0

Agora reinicie o serviço mysql com:

/etc/init.d/mysql restart

Entre no prompt do mysql com:

mysql –user=root –password=suasenha

Então digite o seguinte comando:

GRANT ALL ON *.* TO ‘root’@’%’ IDENTIFIED BY ‘suasenha‘;

Esse comando é bem explicativo, ele garante (GRANT) todos (ALL) os privilégios de acesso a todos (*.*) os databases do banco, ao (TO) usuário (’root’) em todas as máquinas (’%’) usando a senha do usuário root (IDENTIFIED BY ’suasenha’). Traduzindo em miúdos, você acessa tudo no banco com o usuário root em qualquer máquina remota.

Obs: Se quiser dar acesso somente a uma maquina específica troque ‘%’ pelo ip da máquina, por exemplo, dar acesso somente a máquina 192.168.0.2, ficaria assim o comando:

GRANT ALL ON *.* TO ‘root’@’192.168.0.2′ IDENTIFIED BY ‘suasenha‘;

Obs2: Onde estiver escrito suasenha, troque pela senha do usuário root.

Agora pode testar conectar-se ao banco de outra máquina que você terá acesso.

Abraços!

Fonte:http://darkstrikerd.wordpress.com/2008/02/14/linux-permitindo-acesso-remoto-num-servidor-mysql/